Como Portugal se pode tornar o grande produtor europeu de canábis

Informação sobre Canábis em Português!

Como Portugal se pode tornar o grande produtor europeu de canábis

Como Portugal se pode tornar o grande Produtor Europeu De Canabis

Cultivar canábis. A polémica sobre a legalização da droga muda de foco, e em vez de discutirmos o seu consumo discutimos o seu cultivo. Uma reportagem deste fim-de-semana do EL ESPAÑOL aponta Portugal como país com melhores condições para dar o primeiro passo na legalização do cultivo de canábis. Mas o que é que o nosso país tem de diferentes dos outros? Clima, um sistema agrícola em queda e um passado de inovação no que toca à legislação do consumo de drogas.

 

Cultivo Canábis

Cultivo Canábis

Poderá Portugal ser a primeira potência produtora de canábis da Europa? A pergunta é lançada pelo diário espanhol EL ESPAÑOL na sequência do anúncio do Bloco de Esquerda que fez saber, no início deste mês, que, ainda em 2017, vai apresentar um projecto-lei de legalização da canábis. O projeto terá duas frentes: o uso para fins medicinais e o fim para o uso recreativo.

Mas o jornal espanhol vai mais longe, e expõe argumentos não para que, especificamente, Portugal legalize o consumo da marijuana, mas para que Portugal legalize o cultivo da planta. É necessário, diz o EL ESPAÑOL, que haja uma fonte lícita de produção de marijuana numa altura em que existem 12,5 milhões de pessoas na Europa que consomem canábis de uma forma regular, e 87 milhões que consomem esta droga leve ocasionalmente.

Torna-se ainda mais necessário quando existem países onde o consumo de canábis para fins recreativos é legal, mas que não têm uma fonte lícita próxima de onde possam importar a planta, acabando, os estabelecimentos, por ser alvo de pressões de grupos criminalizados que traficam o produto e impõe a sua venda nos espaços autorizados. A Holanda é o melhor exemplo.

É urgente que alguém dê o primeiro passo e tome conta deste mercado virgem, na Europa, que se estima que valha, anualmente, entre 15 a 35 mil milhões de euros. E o EL ESPAÑOL aponta Portugal como o cenário ideal para se dar a legalização da plantação da canábis. Há duas grandes razões: o clima, altamente propício à produção da planta, e a possibilidade de utilizar esta planta para reformular o setor agrícola, em crise desde a entrada do país na Comunidade Económica Europeia (atual União Europeia).

O diário espanhol diz que o clima português é uma grande vantagem para a plantação de marijuana, uma vez que apresenta condições tanto de luz, como de água, muito favoráveis à plantação da canábis. Segundo o grupo Marijuana Policy Group (MPG), a principal consultora do mercado internacional da canábis, o clima de Portugal torna-se ainda mais apelativo quando comparado com os países do norte da Europa, onde seriam necessários vários custos para que se produzisse a planta em larga escala.

Em declarações à publicação espanhola, Dinis Dias, diretor de la Cooperativa para o Desenvolvimento do Cânhamo e editor de A Folha, a principal revista de cultura canábica em Portugal vai de encontro à mesma ideia: “Poderia-se produzir em qualquer parte do país, temos condições muito melhores que os outros Estados europeus”, salienta.

Cultivo Industrial de Canábis!

Cultivo Industrial de Canábis!

 

Além disso, o EL ESPAÑOL diz ainda que a legalização do cultivo da marijuana poderia ser revolucionário para a agricultura portuguesa, devastada desde a entrada do nosso país na União Europeia. A publicação fala na possibilidade de se reativarem os campos no Alentejo e nos vales do Douro, onde mais de 100 mil hectares foram abandonados por pequenos agricultores sem meios para se tornarem competitivos no mercado único europeu.

CONSIGA SUAS SEMENTES GRÁTIS DE CANÁBIS JÁ

A primeira plantação legal de marijuana em Portugal aconteceu há 3 anos

Em 2014 o Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento) deu a autorização para a primeira plantação de canábis destinada à produção de uma espécie de marijuana (canábis sativa) com concentrações muito baixas de THC , a substância psicotrópica da planta.

A licença teve a duração de um ano e foi concedida à Terra Verde, Lda., empresa que passou a estar autorizada a cultivar canábis sativa em Portugal. A marijuana plantada seria transformada em pó que terá sido 100% exportado para o Reino Unido e utilizado para a produção de medicamentos a utilizar no alívio da dor derivada da doença oncológica, na esclerose múltipla e na epilepsia.

A localização da plantação nunca foi revelada, mas sabe-se que há mais empresas interessadas em produzir esta planta, para fins medicinais e para a indústria têxtil, apesar de ter muitas restrições e de estar dependente do “sim” do Infarmed. A publicação espanhola fala em duas empresas, uma israelita e outra canadiana, que têm neste momento projetos a serem avaliados junto do Governo português que representam, no seu conjunto, um possível investimento de 107 milhões de euros na economia do país.

Da inovação à estagnação nas legislação

Portugal foi sido pioneiro no que tocas às políticas de descriminalização de drogas. Em 2000, o consumo de todas as drogas foi descriminalizado. Atualmente, ninguém que tenha em sua posse uma quantidade de droga considerada inferior ao suficiente para um consumo de 10 dias – um grama de ecstasy, heroína, ou anfetaminas, dois gramas de cocaína, ou 25 gramas de canábis -, é preso. Por outro lado, as pessoas intimadas são citadas e obrigadas a comparecer num “painel de dissuasão”, formado por psiquiatras, psicólogos e especialistas legais. No caso de ser um indivíduo reincidente, pode ser prescrito algum tipo de tratamento.

Na altura, a medida foi revolucionária, uma vez que se estava a combater algo que todo o mundo queria colocar um fim com a descriminalização. Aliás, uma vez adotada a medida, os primeiros inquéritos que Portugal recebeu do Comité internacional de Controlo de Narcóticos – a estrutura de monitorização da organização da ONU – chegavam com um tom repreensivo.

Mas a realidade é que os resultados não tardaram: a taxa de novas infeções por HIV em Portugal caíram drasticamente, as mortes por overdose caíram e o número de consumidores, em vez aumentar, como tanto sentenciaram, baixou.

O ano passado, em Nova Iorque, João Goulão, médico especialista português em casos de adição, e um dos responsáveis pela lei de 2000, disse, numa reunião da ONU para discutir o futuro das políticas de combate à droga a nível global que as “as coisas mudaram por completo. Somos apontados como um exemplo de boas práticas”.

No entanto, a legislação em Portugal estagnou no novo milénio. O consumo de drogas é descriminalizado, mas a compra e a plantação são considerados crimes. Nesse âmbito nada mudou, e espera-se que o ‘enguiço’ seja quebrado pela correlação de forças que sustenta o Governo minoritário do Partido Socialista, que é publicamente a favor da liberalização do consumo, tanto para fins recreativos como medicinais, assim como da plantação.

Fonte : [eafl id=”30″ name=”Sapo24″ text=”Sapo24″]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *